Onça-preta que nasceu em cativeiro volta ao Paraná e ganha lar em zoológico de Curitiba

Onça-preta que nasceu em cativeiro volta ao Paraná e ganha lar em zoológico de Curitiba

Onça-preta que nasceu em cativeiro volta ao Paraná e ganha lar em zoológico de Curitiba

Por g1 PR e RPC Curitiba – 22/03/2024
Clique aqui e assista a matéria original.

Matéria comentada – SOS FAUNA

Esta matéria exibida na semana passada no Jornal Hoje da Rede Globo de Televisão mostra a história de uma onça-preta (Cacau), com o ar mais romântico que podemos imaginar!

Em julho do ano passado o animal sai da Usina de Itaipu onde estava havia sete anos, desde o seu nascimento, e segue para um criadouro de animais silvestres no Distrito Federal.

Lá esta foi colocada junto com o macho Oxóssi. Pareceu até que “pintou um clima”, mas não sabemos ao certo porque a matéria não fala sobre isso.

Em cativeiro e sem espectadores, parecia ser um local melhor que um zoológico, além de que ela estava em companhia de uma outra onça.

O interessante é que tentaram unir dois exemplares melânicos, mas com que intenção?

Para nascer uma outra onça melânica?

Para preservar a espécie?

Onças são onças, todas Panthera onca, sejam exemplares melânicos ou não.

E do nada vai parar em um zoológico na cidade de Curitiba, para transformar-se em objeto de vitrine, em pleno século vinte e um, onde a sociedade cada vez mais repudia este tipo de atitude.

Hoje já não é mais legal ver um animal nesta condição. Circos com animais praticamente foram extintos no Brasil, mas caso não fiquemos atentos, eles voltam, e voltam com tudo.

Em trinta e cinco anos lidando com a problemática do tráfico de animais silvestres no Brasil, temos um cenário bastante claro aos que tem um conhecimento mais apurado sobre o problema, onde quanto mais raro é o animal, menores são suas chances de recolocá-lo na natureza.

Não é fácil recolocar uma felino selvagem na natureza, mas não é impossível.

Vejam que onças-pardas, mais comuns, ninguém se interessa e as solturas destas, muitas vezes são realizadas sem muitos critérios, algo que ninguém faz com uma onça-pintada.